terça-feira, 29 de março de 2011

Aspectos Neuropsicológicos do Espectro Autista

O Autismo é um distúrbio do desenvolvimento cujas características principais são: dificuldade na interação social, dificuldade na comunicação com outras pessoas, poucos interesses e comportamentos repetitivos e estereotipados.

 Se você quiser saber mais sobre os aspectos 
neuropsicológicos associados à Síndrome de 
Asperger a ao Autismo de Alto Funcionamento, 
participe da palestra aberta que ministrarei no 
Instituto de Psicologia da USP.  Gratuito Saiba mais

As pessoas com autismo têm um modo diferente de aprender, pensar e de se organizar. Em termos neuropsicológicos, são comuns prejuízos nas funções executivas tais como controle inibitório do comportamento (capacidade de inibir comportamentos automáticos ou impulsivos) e flexibilidade mental (capacidade de modificar o comportamento conforme a demanda de novas situações); prejuízos estes que podem estar relacionados aos comportamentos repetitivos e estereotipados do Autismo.  

  Dentre estes indivíduos autistas encontramos os Savantes, termo utilizado para designar indivíduos com capacidades incríveis para memória, cálculos, desenho, etc. Quem teve a oportunidade de assistir o filme “Rain Man”, observou as habilidades fantásticas do personagem Raymond Babbitt (capaz de decorar listas telefônicas), interpretado por Dustin Hoffman. O personagem foi inspirado em um autista savante real, o norte americano Kim Peek (1951-2009), que ficou famoso por sua capacidade memória e leitura veloz, conseguindo decorar livros inteiros após uma leitura.


Apesar de muitas pessoas com autismo apresentarem algum grau de retardo mental ou dificuldade de linguagem, nem todos os casos são assim. Há indivíduos autistas sem atraso ou dificuldade de linguagem ou prejuízos intelectuais. Alguns podem apresentar inteligência acima da média.

O termo “Espectro Autista” reúne o Autismo (com vários níveis de comprometimento), a Síndrome de Asperger e outras condições que também são caracterizadas por prejuízos na interação social e na comunicação. Neste conjunto, os indivíduos com Síndrome de Asperger e aqueles com Autismo de Alto Funcionamento apresentam inteligência média ou acima desta faixa. Entretanto, há uma diferença entre estas duas condições: ao contrário do Autismo de Alto Funcionamento, os indivíduos com Síndrome de Asperger não têm atraso na linguagem. Por outro lado, no final da infância apresentam características semelhantes e por isso existe um debate sobre a distinção entre a Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento. Há autores que tratam ambas as condições como um grupo único.


 Não há um tratamento único para o Autismo e as intervenções multidisciplinares têm como objetivo melhorar os sintomas e as funções afetadas. Muitas crianças, especialmemte nos casos de Síndrome de Asperger e Autismo de Alto Funcionamento podem apresentar progressos importantes com o tratamento, de modo que alguns ao se tornarem adultos podem desenvolver uma carreira profissional e obter sucesso. No caso da Síndrome de Asperger, alguns pesquisadores sustentam a hipótese de estes indivíduos terem uma maneira diferente de agir, entender e lidar com o mundo e não incapacidade que precisa ser tratada ou curada. Alguns altistas chegam a fase adulta com capacidade de ter sucesso na carreira profissional escolhida. Porém, geralmente as dificuldades sociais e de comunicação persistem, ocasionando problemas em diversas áreas da vida. Mediante suporte adequado, o autista poderá ter uma vida independente.




O site da Associação de Amigos do Autista (AMA) apresenta o personagem André dentre estórias da Turma da Mônica, explicando o que é Autismo e como devemos lidar com esta condição.



Vejam o Gibi da Turma da Mônica com o André!



Elaine Cristina Zachi
elaine-zachi@uol.com.br

Neurônios no Divã: Psicologia e Neurociências
Blog feito por psicólogas que acreditam em neurônios
http://www.neuroniosnodiva.blogspot.com



Referências:

Hill E.L. (2004). Executive dysfunction in autism. TRENDS in Cognitive Sciences, 8 (1), 26-32.

Kasari C. & Rotheram-Fuller E. (2005). Current trends in psychological research on children with high-functioning autism and Asperger disorder. Current Opinion in Psychiatry, 18, 497-501.

Woodbury-Smith M.R. & Volkmar F.R. (2009). Asperger Syndome. Eur Child Adolesc Psychiatry, 18, 2–11.

Nenhum comentário:

Postar um comentário