quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Transtorno Obsessivo-Compulsivo ( TOC ) Novas Pesquisas

O TOC é um transtorno de ansiedade que geralmente tem início na adolescência, mas pode começar na infância. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), até o ano 2020 o TOC estará entre as dez causas mais importante de comprometimento por doença. 

Esse transtorno é caracterizado pela presença de obsessões e compulsões e na maioria das vezes, causam muito sofrimento, consomem muito tempo e interferem com o funcionamento normal da pessoa. 

As obsessões são ideias, imagens ou pensamentos que invadem a mente do indivíduo, independentemente da sua vontade, por exemplo: pensamentos de ser contaminado pela sujeira ou germes ou pensamentos de ter agredido alguém, etc. 

As compulsões são comportamentos repetitivos e estereotipados que o indivíduo é levado a executar para reduzir a ansiedade causada por uma obsessão ou para prevenir algum evento temido, por exemplo: limpar as mãos excessivamente para não adoecer.

Assim como no transtorno de pânico, o tratamento é medicamentoso (Inibidores seletivos da receptação da serotonina) com o objetivo de minimizar os sintomas e psicoterápico (psicoterapia) que ajuda o paciente a lidar com a ansiedade, ajuda a não se envolver na compulsão e a melhorar sua qualidade de vida. 

Uma recente pesquisa feita pela Universidade de Cambridge e Universidade de Amsterdã, postula que as compulsões podem ser os precursores para a desordem e que as obsessões seriam simplesmente a forma que o cérebro encontrou para justificar esses comportamentos.

Se você sofre com este tipo de problema, procure ajuda especializada e não deixe que ele atrapalhe sua vida!!



Fonte: 
C. M. Gillan, M. Papmeyer, S. Morein-Zamir, B. J. Sahakian, N. A. Fineberg, T. W. Robbins, S. de Wit. Disruption in the Balance Between Goal-Directed Behavior and Habit Learning in Obsessive-Compulsive Disorder. American Journal of Psychiatry, 2011; DOI:10.1176/appi.ajp.2011.10071062.


Rosani Ap. Antunes Teixeira
Neurônios no Divã

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Transtorno do pânico

Em uma crise de pânico o ar parece que vai faltar, o coração dispara, o suor torna-se intenso, a boca seca, sente-se um grande mal-estar e uma sensação terrível de que algo muito, muito ruim vai acontecer.. E essas crises podem acontecer sem nenhum aviso prévio! 

A síndrome do pânico costuma ter início no começo da vida adulta, e geralmente aparece em situações de muito estresse e pressões, no trabalho, na família, etc. 

Os sintomas fisiológicos do ataque de pânico são: falta de ar, coração acelerado, tonturas, dor no peito, sudorese, ondas de calor, tremores, sufocamento, náuseas e dormência. E as de natureza psicológica são: sensação de irrealidade, medo de perder o controle e medo de morrer. 

Felizmente, esse transtorno possui tratamento (medicamentoso e psicoterápico), que tem como objetivo eliminar todos os sintomas do pânico para que a pessoa volte a ter uma vida normal, prazerosa, produtiva e com muita qualidade de vida. 

As medicações para o transtorno de pânico ajudam a reduzir e prevenir os sintomas e podem ser: Inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS), Inibidores de recaptação de noradrenalina e serotonina (IRNS),  Antidepressivos tricíclicos ou ainda Benzodiazepínicos. 

A psicoterapia pode ajudar na compreensão da crise de pânico, no desenvolvimento de estratégias para lidar com a doença e com técnicas para controlar a ansiedade. 

Então, ao perceber sinais que indicam transtorno do pânico, não perca tempo!!! Procure ajuda especializada. 


Rosani Ap. Antunes Teixeira
psic_rosani@yahoo.com.br
Neurônios no Divã

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Transtorno de Ansiedade

Existem muitos tipos de transtornos de ansiedade, e incluem o “transtorno do pânico”, “transtorno obsessivo compulsivo”, “transtorno de estresse pós-traumático”, “transtorno de ansiedade social”, “fobias específicas” e “transtorno de ansiedade generalizada”. 

Então vamos falar um pouco sobre a ansiedade. A ansiedade é uma emoção normal que todos nós experimentamos em determinados momentos de nossas vidas. A maioria das pessoas se sentem ansiosas quando tem algum problema a ser resolvido no trabalho, antes de fazer algum teste/prova, antes de tomar alguma decisão importante, ou ainda, quando algo importante está prestes a acontecer. Isso é a coisa mais natural do mundo. 

Mas o problema está justamente quando essa ansiedade começa a causar sofrimento, impedindo a pessoa em levar uma vida normal e saudável. Para a pessoa com transtorno de ansiedade a preocupação e o medo são constantes e muito intensos, podendo até se tornar incapacitante. 

Os sintomas gerais desses transtornos são: 
Sentimento de pânico; 
• Medo incontrolável;
• Pensamentos obsessivos e repetitivos;
• Comportamentos ritualizados;
• Problemas para dormir;
• Falta de ar;
• Palpitações;
• Tonturas;
• Náuseas e outros.

As causas desses transtornos ainda não são muito bem conhecidas, mas, muitos dos distúrbios são causados por uma combinação de fatores, entre eles alterações cerebrais e estresse ambiental. Dentre as mudanças cerebrais podemos destacar que o estresse grave ou de longa duração pode mudar o equilíbrio de substâncias químicas no cérebro. E dentre as causas ambientais podemos dizer que determinados fatores ambientais (como um trauma, por exemplo) pode desencadear um transtorno de ansiedade. 

O tratamento pode ser feito através de medicamentos (antidepressivos e ansiolíticos), psicoterapia (ajuda a lidar com os problemas emocionais causados pela doença) e mudanças no estilo de vida

Nas próximas publicações, vou falar um pouco mais sobre cada um dos transtornos separadamente! Até a próxima!

Rosani Ap. Antunes Teixeira
psic_rosani@yahoo.com.br
Neurônios no Divã

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Síndrome de Down - Novas descobertas

A Escola de medicina da Universidade do Colorado está completando um grande teste com um medicamento que pode impulsionar a função cognitiva nos pacientes com síndrome de Down, melhorando significativamente sua qualidade de vida e seu potencial.

Em 2007, o cientista Alberto Costa e sua equipe demonstraram que a droga Memantina pode melhorar a função de memória em ratos com síndrome de Down. Nesse estudo atual, eles estão usando a droga em 39 pessoas com síndrome de Down e espera que a memória e aprendizagem tenham uma melhora significativa.

A Síndrome de Down é um distúrbio genético causado pela presença de um cromossomo 21 extra (trissomia),  e normalmente, essas crianças possuem certas características comuns:

  • Pequenas dobras de pele no canto dos olhos;
  • Língua aumentada e proeminente;
  • Achatamento da parte de trás da cabeça;
  • Orelhas menores;
  • Boca pequena;
  • Mãos e pés pequenos;
  • Algum grau de deficiência intelectual que na maioria dos casos varia de leve a moderada.
Até este momento, não existe um tratamento específico para síndrome de down a fim de reverter a trissomia do cromossomo 21. E o tratamento para essas crianças é na verdade, uma série de medidas para tratar os problemas clínicos decorrentes da síndrome e também uma série de medidas de estimulação precoce para aproveitar todo o potencial da criança.


Fonte: University of Colorado Denver (2011, August 1). Drug may increase cognition for people with Down syndrome. ScienceDaily. 


Rosani Ap. Antunes Teixeira
psic_rosani@yahoo.com.br
Neurônios no Divã: Psicologia e Neurociências